Mulheres que aceleram muito

4 dezembro, 2006 at 9:15 am 1 comentário

Danica PatrickAs mulheres sempre fizeram muito sucesso fora das pistas no automobilismo, mas algumas resolveram inclusive se aventurar nesse mundo machista. Na Fórmula 1, por exemplo, Lella Lombardi, foi a única mulher que conseguiu pontuar até hoje, com um sexto lugar no GP da Espanha de 1975. Outras até tentaram a sorte, como a sul-africana Desiree Wilson, mas sequer conseguiram se classificar para largar – na época, uma prática comum pelo grande número de equipes e pilotos. A última a tentar a sorte foi Giovanna Amati, em 1992, com uma Brabham-Judd. Ela não se classificou, mas tudo bem, pois Damon Hill com o mesmo carro também não conseguiu. Prova que o bólido era ruim mesmo.

Definitivamente mulher não nasceu pra pilotar, certo???
Errado. Nos EUA, por exemplo, a história é outra. Sara Fischer despontou no final da década de 1990 e conseguiu vários resultados satisfatórios, inclusive indo ao pódio com um segundo lugar. A piloto esteve afastada das competições por dois anos, mas retornou em 2006, para abrilhantar a F-Indy. Mas agora, ela não está sozinha, pois lá surgiu um furacão de nome Danica Patrick.

Essa americana impressionou o mundo ao liderar algumas voltas da mais tradicional corrida do automobilismo americano, as 500 milhas de Indianápolis. Danica terminou a prova em 4º lugar e conquistou um espaço nos corações dos torcedores. Ela é uma mistura que podemos comparar com o conto de fadas “A Bela e a Fera”, e com seu talento, beleza e um forte marketing tem lotado os autódromos dos EUA.

BFMas quem pensa que as mulheres só se dão bem lá fora está enganado. Aqui no Brasil, não exatamente nos carros, mas sim no caminhão, Débora Rodrigues, vem deixando muito marmanjo pra trás com seu arrojo e habilidade. Já nos monopostos, nossa melhor representante é, sem dúvida, a piloto Bia Figueiredo. Ela arrasou no kart, ganhando vários títulos, e agora compete de igual pra igual com os homens nos fórmulas.

Infelizmente, Bia está chegando naquela idade onde uma decisão precisa ser tomada logo, não por causa de seu talento, que é imenso, mas sim pelo alto custo das categorias “top” no exterior. Imagine quantos Sennas, Piquets ou Fittipaldis não ficaram no meio do caminho por falta de recursos. Observando atentamente a carreira de Bia Figueiredo, suas conquistas no kart e suas exibições nos fórmulas, fico imaginando onde ela já estaria se trocássemos seu sobrenome por Senna ou Piquet.

Por: Ricardo César

E você, o que acha das mulheres no automobilismo? Deixe sua opinião aqui nos comentários do blog ou envie direto para o autor, clicando aqui.

Anúncios

Entry filed under: Novidades.

Design na F1 Stock Car se inspira na Red Bull

1 Comentário

  • 1. Rodrigo  |  7 dezembro, 2006 às 1:51 pm

    Danica Patrick é uma farsa.

    Naquela prova das 500 milhas de Indianápolis em 2005 ela correu com o carro irregular para a categoria ganhar em marketing. Lembrando que seu melhor resultado foi justamente um quarto lugar, ou seja, ela sequer subiu no pódium, mesmo pilotando em equipe de ponta!

    Outro dado importante, é que nas categorias de base ela jamais venceu uma corrida! E o pior de tudo: o peso mínimo do regulamento dos carros na IRL não contam com o peso do piloto, ou seja, a Danica Patrick mesmo sendo cerca de 30kg mais leve que seus adversários, não consegue andar próxima deles (a BAR foi punida na Fórmula 1 por estar 6 kg abaixo do regulamento e isso fez uma diferença enorme, imagine 30 kg!!)


Sobre a autora

Bárbara Franzin é paulistana, geminiana, jornalista e gremista. Tem 22 anos e trabalha na Fan Comunicação, onde assessora clientes... > Saiba mais

Tópicos recentes

Adicione por aí!

Adicione este blog aos seus favoritos com o AddThis!

Fotos no Flickr

my del.icio.us

BlogBlogs

O maior diretório de blogs e fotologs do Brasil

Apoio


%d blogueiros gostam disto: